A câimbra é uma contração que ocorre contra a vontade da pessoa. No caso das pernas, acontece um encurtamento ou diminuição do volume de um músculo, podendo ocorrer durante uma prática de esporte ou durante a noite em casa, na hora de dormir, por exemplo.

A câimbra na perna acontece mais frequentemente na panturrilha, ou seja, na área de músculos que fica logo abaixo do joelho na parte de trás da perna.

A câimbra pode ser dolorosa ou não, mas incomoda bastante, principalmente as pessoas idosas.

Existem chás popularmente conhecidos para combater tanto a câimbra das pernas quanto a câimbra estomacal. Nosso comentário de hoje se refere somente a chás caseiros para câimbras nas pernas.

De um modo geral, as pessoas com esse tipo de problema procuram uma solução para:

  • Câimbra na perna
  • Câimbra noturna na perna
  • Câimbra na panturrilha
  • Câimbra no músculo da perna
  • Câimbra na perna, abaixo do joelho

As principais plantas conhecidas para chás caseiros contra câimbras (cãibras) nas pernas são as seguintes: Alfazema, Centella-asiática, Chapéu-de-couro e Ginkgo-biloba.

1) Alfazema

Nome científico = Lavandula officinalis L.

Parte utilizada para chás = folhas e flores secas picadas

2) Centella-asiática

Nome científico = Centella asiatica (L.) Urb.

Conhecida também como Centela, Centella, Centelha-asiática, Gotu-Kola e outros nomes em diversos países.

Parte utilizada para chás = parte aérea seca picada

3) Chapéu-de-couro

Nome científico = Echinodorus macrophyllus ou Echinodorus grandiflorus

Conhecida também como Aguapé, Chá-de-campanha, Chá-de-mineiro, Chá-do-brejo, Chá-de-pobre, Congonha-do-brejo, Erva-de-bugre, Erva-do-brejo e Erva-do-pântano.

Parte utilizada para chás = folhas secas picadas.

4) Ginkgo-biloba

Nome científico = Ginkgo biloba L.

Parte utilizada para chás = folhas secas picadas ou folhas em pó

Os chás são considerados como alimentos naturais, saudáveis e benéficos para saúde, quando consumidos adequadamente.

Conheça mais de 6.000 tipos de receitas de elaboração de chás caseiros no site www.chasdeplantasmedicinais.com.br, onde se encontram também diversas orientações gerais complementares e extensa bibliografia.

Faça seu comentário no campo abaixo. Participe:

Leave a Reply